Imagem Ilustrativa
_

Resenhas

El ansiolítico y la ética en el sufrimiento, Ed. JVE, 282 pp., 2017, Buenos Aires

La cuestión que aquí se plantea no es reciente. Recurriendo a los elementos históricos de lo que hoy día se conoce como Clínica Psiquiátrica, se encuentra en Synopsis Nosologiae Methodicae, de 1769, la definición de neurosis dada por el escocés William Cullen. Dicha definició...

+ saiba mais


La clinica del Psicoanalisis - Etica y Tecnica, Atuel, 159 pp., 2011

O autor reúne nesta obra algumas de suas aulas ministradas na disciplina de Clínica de Adultos, na faculdade de Psicología da Universidad de Buenos Aires. Um de seus apontamentos iniciais diz respeito a uma das premissas da Clínica: “no hay tal clínica [psicoanalítica] sin el acto del analista que ...

+ saiba mais


A Hora da Estrela, Rocco, 87 pp., 1999

Clarice Lispector, Rocco, 1999, 87 pp.

Escrito à espreita da morte, começa com questionamentos quase que existenciais colocando o desejo em xeque em relação às respostas que conseguira dar e também indagações que conseguira formular. Como um grito agonizante, a obra é um co...

+ saiba mais


Clínica y Contemporaneidad, JVE, 157 pp., 2001

Osvaldo Delgado é membro da Escuela de la Orientación Lacaniana, titular da disciplina “Hospital de Día y Problemáticas Clínicas Contemporáneas" e docente responsável da pós-graduação na Universidad de Buenos Aires da Clínica Psicoanalítica. Reuniu, co...

+ saiba mais


Psicoanálisis y Salud Mental, Tres Haches, 159 pp., 2000

O atual Presidente da Associação Mundial de Psicanálise - AMP, Eric Laurent, traz na contracapa dessa obra uma instigante constatação: a Psicanálise e a Saúde Mental mantiveram e mantém tensas relações. Por quê? É possível pensar ditas tensões pela c...

+ saiba mais


O Direito à fala, Insular, 127 pp., 2002

A obra é uma coletânea de artigos de autores da UFSC, UNICAMP, USP e UFRGS, debruçados sobre o jogo normativo da lingüística e seu emprego no cotidiano: “Esse é um livro de intervenção, que pretende colocar a pesquisa lingüística a serviço de um dos direitos do cidad&a...

+ saiba mais


As Cidades de Freud, JZE, 219 pp., 2005

Estruturado em seis capítulos, o italiano Giancarlo Ricci visita novamente 40 cidades vivenciadas de alguma maneira por Freud. A lembrança feita por Carlo Sini no prefácio da obra parece dar o tom das andanças: apesar de assíduas, havia um certo sofrimento em viajar. Faz desde...

+ saiba mais


Ces médicaments qui nous rendent malades, Confort de Lecture, 2009, 370 pp.

Esta é mais uma obra dentre tantas outras que circulam pela Europa desde a década de 1990, mostrando o outro lado da medicalização: o da indústria e suas estratégias. O texto é contundente ao trazer afirmações que mostram a fragilidade, o desconhecimento e a postura passiva dos co...

+ saiba mais


Psicofarmacología Práctica, Polemos, 334 pp., 2001

Dividindo a obra em quatro grandes grupos (anti-depressivos, ansiolíticos e hipnóticos, antipsicóticos e estabilizadores do humor), a psiquiatra argentina e docente na Universidad de Buenos Aires, busca expor de maneira didática, as características dos principais...

+ saiba mais


A Invenção do Cotidiano - Artes de Fazer, Vozes, 351 pp., 2002

Com Certeau não há termos apropriados a serem empregados, porque atuou como um bruxo na arte de recontar a história sob a perspectiva do indisciplinado cotidiano e de suas práticas ordinárias. O homem é visto a partir do lugar comum que ocupa, atrelado ao outro pela linguagem – ...

+ saiba mais


Quinta Coluna, Publifolha, 381 pp., 2008

Há mais de dez anos, Calligaris publica no caderno Ilustrada da Folha de São Paulo todas as quintas-feiras. O tempo certamente o fez pensar na idéia de aglutinar em livro a centena de crônicas que nos apresenta nesta obra. Percorrendo o cinema, a literatura, o ...

+ saiba mais


Acompañamiento Terapéutico - Lo cotidiano, las redes y sus interlocutores, Polemos, 222 pp., 2007

Acompanhamento Terapêutico é um termo que nos remete inicialmente à década de 1920, quando enfermeiras usavam de grande habilidade para chegar ao paciente através de sua família e de seu domicílio, dedicando-lhe atenção e cuidados. Seus germes já se esboçavam na Espanha na d...

+ saiba mais


Historia de la Ansiedad, Polemos, 191 p., 2007

Conti e Stagnaro são professores da Universidad de Buenos Aires, na Argentina. Se dedicaram a selecionar textos que datam dos séculos XVIII, XIX e XX, de célebres autores que estudaram a neurose e seus vieses de época. A histeria foi o eixo por onde transcorreu a pesquisa, uma vez que a Europa ...

+ saiba mais


O Conceito de Angústia, Hemus, 194 pp., 2007.

O filósofo e teólogo dinamarquês Soren Kierkegaard é por muitos considerado o pai do existencialismo cristão. Em O Conceito de Angústia (1844), buscou construir uma relação dialética entre o pecado original e a angustia. O prefácio firmado pelo autor sob o...

+ saiba mais


Sobre a morte e o morrer, Martins Fontes, 299 p., 1994

A obra lançada nos Estados Unidos em 1969 tem sido empregada desde então por grupos de apoio, universidades, pacientes, parentes e amigos de pacientes com câncer, terminais ou não. Sem o propósito de ensinar a partir de sua experiência, mas de aprender a cada dia com os pacien...

+ saiba mais


Quartier Lacan, Companhia de Freud, 258 pp., 2007

Com o testemunho de treze psicanalistas que conviveram com Jacques Lacan, Didier-Weill não retoma os pontos teóricos da psicanálise lacaniana, mas a narrativa desses que conheceram um estilo e seu movimento. Ainda: a maneira como essa relação provocou intervenções em suas vidas e na própria clí...

+ saiba mais


Escrever a Clínica, Casa do Psicólogo, 478 pp., 1998

Com a idéia inicial de dar dicas aos que se aventuram a escrever, Mezan reúne dezesseis aulas onde explica e argumenta desde o uso da pontuação, das vírgulas, do itálico e de empregos como o este ou esse, ao estilo que dá conformação à escrita; em suas palavras, à elegância e ao bom gosto. Recorre ao principal eixo ...

+ saiba mais


A felicidade, desesperadamente, Martins Fontes, 139 pp., 2005.

Dedicado a falar da felicidade e da sua relação com a filosofia, Comte-Sponville retorna a esta página para falar de sua percepção sobre a felicidade e, portanto, da infelicidade que ronda o homem.  Traz Montaigne, Epicuro, Spinoza, Aristóteles, Platão e Kant, entre tantos outros, procurando se colocar no texto independente das correntes fi...

+ saiba mais


A Invenção do Psicológico: quatro séculos de subjetivação 1500 - 1900, Escuta, 184 pp., 2007

A construção da identidade e a delineação do estilo psicológico foram trabalhados por Figueiredo ao longo dos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, tempo esse escolhido para falar do lugar ocupado pelo homem e de sua subjetividade.  E justamente para falar da desmistificação desse lugar evocou i...

+ saiba mais


Um Psicanalista no Divã, JZE, 150 pp., 2003

O autor estrutura sua obra em cinco capítulos em forma de entrevista, realizada por Xavier Diaz, com sua primeira edição publicada em 2002 pela Éditions Payot, de Paris. Com estilo simples, Nasio trata das questões cotidianas da clínica psicanalítica na primeira parte do livr...

+ saiba mais


Cartas a um Jovem Terapeuta, Alegro, 155 pp., 2004

Logo às primeiras páginas, o autor dá um indicativo decisivo ao leitor em relação à opção de tornar-se psicoterapeuta: “se por alguma razão (...) é importante para você se alimentar no reconhecimento e no agradecimento infinitos dos outros, então não escolha a profissão de psicoterapeuta”. Elenc...

+ saiba mais


Terapias y Terapeutas, Grama, 79 pp., 2005

Quase num ensaio novelístico, a psicanalista portenha Graciela Avram se desloca um pouco do centro das atuais discussões para oferecer a escuta a outros colegas. Conceitos duros da clínica são repensados, como a felicidade, o complexo de Édi...

+ saiba mais


Aventuras de Alice no País das Maravilhas & Através do Espelho, JZE, 303 pp., 2002

Alice no País das Maravilhas foi uma estória contada pelo escritor à menina chamada Alice Liddell, a seu pedido, durante um passeio de barco por um rio, em uma tarde de julho de 1862. Assim começa: Alice estava cansada de pouco fazer, quando, de repente, passa um Coelho Branco de olhos co...

+ saiba mais


A Escrita no Limiar do Sentido, Escuta, 128 pp., 2007

Há momentos em que, diz Giorgio Agamben, no decorrer de sua relação com certos textos, o intérprete percebe a impossibilidade de prosseguir sua análise sem se deixar confundir com o texto estudado. É quando não é mais possível distinguir o autor do intérprete. Se parto dessa glosa, é porque tomo...

+ saiba mais


Observações sobre a Tortura, Martins Fontes, 117 pp., 1992

As primeiras observações de Pietro Verri datam de 1770, culminando com a primeira edição em 1804, em Milão. À época, o homem era julgado segundo o grau de mediocridade e isso era o mesmo que dizer que nobres tinham diferenciado tratamento. Em 1776 a Imperatriz Maria Tereza da Áustria propôs a ab...

+ saiba mais


Freud & Schnitzler: Sonho Sujeito ao Olhar, Annablume, 221 pp., 2007

Neste livro o autor busca conciliar suas grandes paixões e temas de trabalho: a Psicanálise e a Literatura Alemã. Após produzir vários artigos que investigam a interface entre o fazer analítico e as produções literárias, neste livro, Pedro Heliodoro de Moraes Branco Tavares nos propõe uma rev...

+ saiba mais


Édipo: o complexo do qual nenhuma criança escapa, JZE, 153 pp., 2007

Édipo é a 14ª obra de Juan-David Nasio traduzida para o português. Psicanalista e docente por mais de três décadas na Sorbonne, nos brinda, como não poderia deixar de ser, com seu estilo aventureiro por entre os desfiladeiros psicanalíticos. Ao adentrar à sexualidade infantil...

+ saiba mais


- Alô, Lacan? - É claro que não, Companhia de Freud, 222 pp., 1999

Jean Allouch, um dos fundadores da École Lacanienne de Psychanalyse, reapresenta através desta edição incrementada seus 132 bons mots avec Jacques Lacan, editado em 1984. Através de pequenas passagens envolvendo a prática analítica, a apresentação de doent...

+ saiba mais


Bom Dia, Angústia!, Martins Fontes, 149pp., 2005

”Fazem-me rir nossos pequenos gurus, que querem proteger-nos dela. Ou nossos pequenos psis, que querem curar-nos dela. Por que não nos curam, em vez dela, da morte?” Tratando a angústia como um ente estrutural do sujeito, o autor a traz para próximo de si com a intenção, quiç...

+ saiba mais


A Escritura Nômade em Clarice Lispector, Argos, 284 pp., 2001

Simone é uma apaixonada por Clarice. Concebe a sua ficção como um mosaico, uma colcha de retalhos: “sem respeitar direitas ou esquerdas, cresce tanto em longitude quanto em latitude”. Trilhando a escritura a partir do nomadismo dos sentidos, inscrito sob um certo imobilismo (construção deleuzian...

+ saiba mais